quarta-feira, 28 de novembro de 2012

as comidas e "o camandro"

Ontem à noite, o besnico “enfardou” quase meio frango assado. Sopa e fruta “come tu”. Ao deitar um biberão de leite e de manhã 5 colheres de papa.

 

(não tendo ido em jejum para a escola é caso para dizer que há luz ao fundo do túnel)

(lindo é saber que na escola o catraio come sozinho e em casa nunca o ter visto a cometer tal proeza…)

 

terça-feira, 27 de novembro de 2012

3 anos

Não sei se isto é um bom dia para falar do meu filho e do facto de ele ter completado ontem 3 anos. O que se passa é que ele anda um caprichoso que pura e simplesmente não come. Sem exagero. Hoje e ontem foi em jejum para a escola. Há uma semana ou mais que não come. Não quer. Faz birras. Grita. Cospe. E isso deixa-me irritada. Chateada. Piúrça. Ontem fui à escola apagar as velas com ele e ouço a educadora a dizer “ele comeu tudo ao almoço e ao lanche, não precisei de dizer nada”. Oh diabo! Quer dizer, em casa faz “30 por uma linha”, “gato sapato”, não há regras que aguentem porque o miúdo anda “levado da breca” e tira-nos do sério. E quanto mais nos zangamos pior ele fica. E depois é vê-lo na escola tal e qual um “cordeirinho”, de bem comportado. Não sei se estou a falhar nalguma coisa. Não sei se há algo que eu possa fazer e que não me esteja a ocorrer. Só sei que tenho dias em que me questiono como mãe. De castigo no quarto? Sem TV e computador? Umas palmadas no rabo? Precisa-se de alguma psicologia oh fax favor.

 

(à parte disso o catraio é mimoso e dengoso e sabe dar-nos a volta e é o meu pequeno homem e amo-o daqui à lua com volta incluída e cada abraço e cada beijo valem milhões e cada noite mal dormida – que ultimamente têm sido muitas – dá-me forças para mais três anos de maternidade e passo o tempo a dizer mal à minha vida, queixo-me bastante mas a verdade é que já não me concebo sem ele que me tira do sério e me faz contar até dez e respirar fundo e pensar “calma calma calma” e o meu amor incondicional é profundo e enorme e eterno e não cobra mas só queria que ele fosse menos pirata e mais obediente e não me levasse tanto à loucura)

(parabéns meu amor pequenino que és tão grande)

terça-feira, 20 de novembro de 2012

fim-de-semana e varicela

Os programas do fim de semana foram “um fiasco”. Depois de na sexta termos ido jantar e ao cinema ver o 007 (muito bom!), para sábado e domingo de manhã tínhamos agendadas actividades para o pequeno pirata. No sábado fomos ao Palácio Galveias, no campo pequeno, para o “raízes da música”. Supostamente seria uma actividade que envolve música para os mais pequenos e nós fomos todos entusiasmados. Acontece que esta gente de estilo hippie não percebe que os miúdos são pequenos e não se concentram facilmente e querem é tocar os instrumentos e mexer e estar em movimento em vez de ficarem a olhar e aderirem à onda do “é outono, as folhas caiem, folhas encarnadas amarelas e vermelhas” lalala “paz e amor”. Sei que não me estou a explicar como deve ser mas pronto, os miúdos dispersam-se e elas acham que estão a fazer uma actividade espectacular. Pior do que no sábado foi mesmo no domingo no museu do oriente. “taças cantantes”. Concerto para miúdos pequeninos. Não houve um que ficasse sentado enquanto a segunda hippie do fim de semana tocava nas taças que mal se ouviam. Um desespero. Era vê-los a atirar almofadas. A correr. A gritar. A rir. Afinal é o que se quer. Gastar energia e não estar ali a olhar e a ouvir uma tipa qualquer a bater numas taças tailandesas. Enfim. Para mim foi dinheiro deitado à rua… tudo sob o mote de “vamos entreter os mais pequenos em dias de inverno”. Uma frustração.

 

Para ajudar à festa, o pirata está cheio de varicela. Fica já despachado coitadinho. Mas está rabugento. Ontem foi a consulta dos 3 anos e veio mesmo a calhar. Agora regrediu e faz-me xixi em todo o lado. Só pede para fazer coco. Não há roupa que resista e que seque com tanto xixi… e perguntamos se quer fazer e diz que não e 5 minutos depois temos poça no chão. Ninguém merece.

 

(dia 9 de dezembro vamos com o pirata ao olga cadaval ver as canções da maria)

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

No talho mesmo ao lado de minha casa

Mãe na casa dos 30 para o filho de no máximo 2 anos “filho, ali dentro é só vaquinhas e porquinhos mortos. É nojento”

 

 

(um par de estaladas era pouco)

terça-feira, 13 de novembro de 2012

(quase) 3 anos de gente

 

“filho, queres ir à casa de banho?”

“concerteza”

“atchimmmm!”

“saúde mamã”

 

(a amostra de gente só me faz rir)

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Weekend sweet weekend

Depois de ter ido à escola na segunda e de ter ficado de molho em casa nos restantes dias, eis que chegamos ao fim-de-semana e fazemos de questão de continuar com as actividades direccionadas a crianças. Sábado, hora do conto na Biblioteca de São Lázaro. Pirata gostou e ainda imitou o monstro da história a pedido da pessoa que a contou, fazendo toda a gente rir que nem perdida. À tarde teve a visita de dois amiguinhos, o gui e o kiko, e brincou até não poder mais J À noite os paizinhos foram jantar e ver o rui veloso ao vivo (nada de especial) e o pirata ficou com “su abuela” J

 

Domingo foi tempo de teatro infantil no museu nacional do teatro. Pirata no final fez questão de dar beijinhos ao palhaço e à princesa. E ainda lhe disse “manda beijo ao rei”, hahaha! Almoço em casa do avô das barbas e resto da tarde em casa entretido com pinturas, computador, jogar às escondidas e às casas com almofadas.

 

(nunca mais é sexta)

 

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Casa para alugar


(a quem possa interessar)

Rescaldo do fim-de-semana

O frio chegou. É um facto. E por aqui andamos sempre à caça de programas para fazer indoors com o nosso crianço. Sábado foi tempo de ir ao teatro ver uma peça infantil. E não é um teatro qualquer porque provavelmente aqui o besnico não aguentaria sentado durante uma hora. Este é o teatro rápido (vide Google) e situa-se no chiado. Com peças de 15 minutos, as crianças como o meu filho que têm picos no rabo ficam atentas à história que lhes é contada. O Pedro adorou e fez birra para vir embora (e novidades?). Dali corte inglés comprar um presente para um miúdo da idade dele e que fazia anos. Casa, almoço e sesta. Festa de anos do “miúdo da idade dele”, andré. A escola realmente faz milagres porque mal chegámos a casa dos nossos amigos para a dita festa o pirata não se fez rogado e entrou como flecha para a sala onde estavam os outros miúdos. E divertiu-se e adorou e cansou-se. Dali casa e ficou com a avó materna para nós, os pais, irmos jantar e ao teatro (minha gente os comédia a la carte valem MESMO  a pena. Foi chorar a rir. Muito bom mesmo).

Domingo foi tempo de ir ao planetário de manhã e de bater com o nariz na porta “sessão esgotada” #$%%&/. Dali museu da marinha ver os barcos e aviões e tomar o pequeno almoço. E dali alegro de Alfragide comprar calças de ganga para a amostra de gente. E dali almoço e sesta. E muita tosse e ranho à mistura e o resto do dia em casa para ver até quando ele se aguenta na escola esta semana sem ficar doente. Afinal de contas já lá vão duas semanas sem maleita, um record (ok, não falemos de sexta em que nos ligaram do colégio porque a alminha se empoleirou numa cadeira à hora do lanche e bateu com a orelha e se fartou de sangrar e talvez fosse melhor ir com ele à urgência e tal e coiso e não fomos resolvemos ver se a coisa estabilizava e estabilizou. Ufa que ser mãe é tramado……)

(pelo meio mãe conseguiu sair para beber café com duas amigas, yehhh!)

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

How cool is that?

Na sexta passada fomos ao teatro ver a peça “lar doce lar”, com a Rueff e o Monchique. Giro mas não espectacular. Antes jantámos na Lusitânia um belo bife cheio de molhanga e batatas. Amanhã é tempo de ir novamente ao teatro assistir aos comédia à la carte. Com direito a jantar fora.

 

(não sem antes termos uma festa de aniversário de miúdos, pois está claro…)

 

birras

Alguém tem uma fórmula mágica para gerir as birras de uma criança a dias de perfazer os 3 anos?

 

(por birras entendo ataques de génio em que voam coisas, palmadas e castigos só aumentam a raiva do seu protagonista e às vezes acho que tenho um pequeno ditador em casa)

(dicas? Alguém?)

(e não me venham com a conversa da educação pela positiva em que o diálogo é a solução porque esta alminha nestas alturas já nem ouve nem vê ninguém)

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Deprimente é

Fazer o trajecto casa-trabalho num feriado às 7h30 da manhã e ir observando as pessoas a saírem das discotecas, de copo na mão, que ainda não foram à cama, e pensar “estou velha”.