sexta-feira, 29 de junho de 2012

Hoje é dia de São Pedro

(e o que eu amo os meus?)

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Depré

Com o batato no aeroporto prestes a embarcar para a Grécia de férias com um amigo e o mano mais velho na fila do check in para ir ver o jogo de hoje in loco, sinto-me deslocada. Acho que estou no sítio errado.

 

(mas não posso ser sempre eu a viajar…)

 

terça-feira, 26 de junho de 2012

Não sou fã do Palma, mas...

 

… imperdoável é o q não vivi, o que esqueci, é desistir de lutar, é não perdoar

 

(true)

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Ainda (ou outra vez) a "cena" de ser mãe

Hoje escrevo-vos levemente irritada e com vontade de atirar a criança pela janela. Que atire a primeira pedra quem nunca teve esse desejo…


Eu amo ser mãe. Tornei-me melhor pessoa. Sou menos egoísta. Alterei as prioridades. Já não faço dramas desnecessários. Mas PORRA, o gajo tem dias em que praticamente me leva à loucura. Aí uma vez por semana resolve “geniar”, armar-se em parvo e fazer daquelas birras que tiram qualquer um do sério. Esta criatura é de ideias fixas. E quando digo “fixas” quero dizer que é vidrado em elevadores e escorregas, por exemplo. Então, saímos de casa e estando na rua só diz “rua rua rua” que para ele terá um significado diferente dos demais seres humanos. E depois vamos no carro e viramos para um lado ele diz alto “era para ali” (caminho a que provavelmente ele está habituado a fazer para ir dar a uma dessas fixações). Há dias pacíficos, tudo zen, até se senta em esplanadas (vá tenho de lhe dar para a mão a carteira e ele conta moedas e alinha cartões, ou compro uma revista daquelas inúteis do noddy ou outro qualquer e ele lá se distrai). Mas depois há outros dias em que não há nada que o faça feliz. Aí sai à mãezinha que também tem dias assim, em que quer tudo e nada quer. Quando se irrita à séria, e quem o conhece sabe que desde que nasceu que tem um vozeirão de impor respeito ao próximo, atira o chapéu que tem na cabeça ao chão, tenta levantar a mão aos progenitores (entenda-se euzinha e o batato) e à conta disto passa o tempo a apanhar (assistentes sociais deste país, não há volta a dar, ele merece), atira-se para o chão e coisas que tais.


Quem visita este espaço deve pensar que eu odeio o meu filho e que só falo mal dele. Faz sentido o raciocínio. Mas pronto, não é o caso (o odiar a criança, porque de facto falo mal dele…). Simplesmente isto da maternidade/paternidade não são só coisas boas e eu não tenho pachorra para as mães que dizem que os filhos são uns anjos e tal e coiso.


À parte disto tudo, este fim de semana o pirata esteve umas horas a apanhar flores para me oferecer e eu refastelada na relva a apreciar a cena (ele ia guardando as ditas nas minhas pernas).
E no fim, também acho que ele terá muitas vezes vontade de nos atirar pela janela. Deve ser reciproco. Acho que a isto se chama amor. Mas não sei bem. Digam-me vocês.



sexta-feira, 15 de junho de 2012

We're back

As férias sofreram alterações de última hora. Fugimos ao mau tempo do gerês, que ficou para os meses de julho-agosto, e corremos primeiro para abrantes e de seguida para troia e comporta. Belos dias de campo e de praia. Soube a pouco.

(como aliás as férias sabem sempre...)

terça-feira, 5 de junho de 2012

cenas

Na passada sexta inaugurei a época dos caracois. 4 amigas. Uma esplanada ao lado da casa dos bicos, ali para o campo das cebolas. Chouriço assado. Bifanas. Caracois. Morcela. Arraial do outro lado da rua. E boas gargalhadas. À meia noite a cinderela estava em casa. Já não dou para esta paróquia.

Setembro e escola

Não consigo negar que ando um bocado inquieta porque o meu pirata em setembro já vai para o jardim-escola. Vai ser dos mais novos da turma. Entra ainda com 2 na sala dos 3. Vai ser duro para ele e para nós, nas primeiras semanas. Mas vai fazer-lhe bem. Regras, amigos, actividades, horários mais certos, viroses (fuck...). Mas sou mãe e sofro por antecipação.

(a escola eleita é o João de Deus. Uns amam outros odeiam. Eu andei lá. Eu tenho muitas saudades desses tempos. E quero que ele também venha a ter)
(seja o que Deus quiser)

Sobre o RIR

Fomos no Domingo. Foi muito bom para desanuviar. O ambiente continua excelente. Gostei dos James. E dos Xutos. E não sou grande fã do Bruce, mas o homem continua em grande forma, há que dizê-lo. E o giro que é andar e ir encontrando pessoas? E rindo. E conversando. E caminhando. E acumulando copos de heineken para ganhar prémios. E o optar por não estar lá em baixo metida tipo sardinha em lata. Ficar bem no alto a ver tudo. Sem stress. Sem pressas. Relaxada com o batato.

(o pirata ficou com uma das avós)

Até já

A família batata vai rumar aqui. Já lá estivemos há 2 anos - era o besnico ainda bebé - e foi de tal maneira bom que resolvemos repetir. Algumas sugestões de pessoas que estejam por esses lados, coisas para fazer com uma criança de 2 anos, não esquecer!

(para além de passear muito e piscinar se o tempo o permitir)
(parques? exposições? festas/arraiais?)