quarta-feira, 4 de julho de 2012

A propósito do post da Gralha sobre fases

O comentário da mesma no seu blogue, em conversa com quem a lê deixou-me a pensar:

"Neste momento acho que às vezes é preciso teimosia mesmo, já nem é persistência. Nas alturas em que parece não haver sentido nenhum, é preciso apostar às cegas na possibilidade de um futuro imprevisível"

(é que eu acho que é mesmo isto.)
(e é assustador...)

3 comentários:

Paula disse...

:) Também fixei isso e também me pus a pensar. (E também achei assustador, por sentir exactamente o mesmo. Às vezes...)

Maffa disse...

Lindo!!
Antes de ter o meu filho ficava sempre muito espantada quando ouvia histórias de divórcio.
Hoje em dia admiro-o com os casais que continuam juntos...
É um projecto de vida e tem de se ter muito gozo nos filhos e de os ver crescer e partilhar esses momentos juntos.
E nos intervalos gozar a vida a dois e lembrarmo-nos do que é que gostávamos tanto nessa pessoa com quem escolhemos partilhar a vida.

gralha disse...

Mas repara depois no comentário da Calita ao meu post. Teimosia é bom mas também é importante sermos sempre honestos connosco próprios - ou seja, nem todo o casamento tem de ser para sempre, a todo o custo.