segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Mais um debate inútil na rtp 1. Mais do mesmo. Blá blá. Falem menos...

sábado, 26 de fevereiro de 2011

é estúpido ou quê ?

há um anúncio publicitário a um carro qualquer em que uma gaja diz para o vendedor "15. 950? Não pense que vamos gastar tão pouco"

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Vale a pena pensar nisto?

"Os árabes dizem que o que acontece uma vez pode nunca mais acontecer mas o que acontece duas vezes repete-se"

Estou toda queimada...

Quando andamos o dia todo não com uma mas com duas lentes de contacto no mesmo olho, isto quer dizer o quê?

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Só posso estar velha

Tenho um colega de trabalho que não sabe o que é (era) o "Agora Escolha" e a Vera Roquette

Bah

Segundo dia maravilhoso de sol e sem frio. Pirata com febre. Pais a trabalhar. Bem que pode chover a potes!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Reacção vacinas -1 / Família batata -0

(febre, prostração e rabugice)
(meu querido filho)

Parecenças com um animal amestrado são (mesmo!) coincidência

Esta noite sonhei que o pirata, do nada, já dizia tudo e falava com um discurso super coerente. Comecei a achá-lo estranho e pergunto "estás bem?". E ele com um ar filosófico respondeu "estar, ser, existir...". E eu de olhos esbugalhados. "Como te chamas? Diz lá: Pe-dro". E ele muito sério balbuciou "Pe-dro" e fez um ar radiante. E toda eu chorava de emoção. E o batato estava a tomar banho e quando voltou deu de caras com esta comédia (?).

(tudo porque ontem andava pela casa e dizia "papapapa" (papa? papá?) e "bebé, bebé")
(tudo porque tenho a certeza que já percebe tudo o que lhe dizemos: "a bola?" e ele olha à volta, encontra e mostra-nos. "a chucha?". idem. "o pé?" idem. "quer água?" e pega-nos na mão e conduz-nos à cozinha ao armário dos copos. "Quer bolacha?" idem para o armário das bolachas. "vamos à rua?", idem para a porta da rua. etc etc)
(depois mostra o dedinho quando lhe perguntamos quantos anos tem. bate as eternas palminhas. faz trim no nariz. mostra a língua quando pedimos. andiz "oá" - olá, faz adeus, and so on. Tudo quando ELE quer e não quando nós queremos... feitiozinho marado!)
(tenho a certeza que 70% disto estão relacionados com a adoração que este pequeno ser tem por livros e imagens e cores. Os 30% restantes somos nós e quem o rodeia a puxar por ele)
(gosto tanto...)

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

15 meses

Consulta dos 15 meses. 11,300kg, 78 cm. Percentil 50 para tudo. Nada de dentes. Gengivas muito grossas que podem justificar as más noites (yeh right...). 3 vacinas. Coração apertadinho. Muito choro. Menos 80 euros do último reforço da Prevenare. Cansaço acumulado. Desejar que não haja reacções às vacinas. Saber que o mais provável é haver. Desejar que esta noite durma bem. Saber que o mais provável é não dormir. Pensar "quem tem filhos tem cadilhos" mas que "quem filhos não tem, cadilhos tem". Não trocar este meu amor pequenino (e tão grande que ele é dentro do meu coração) por nada nesta vida. E desejar ir para casa abraçá-lo. E ao mesmo tempo desejar chegar a casa e ter apenas o sofá à minha espera para poder "passar pelas brasas" uma horinha, no silêncio profundo da nossa sala.

(isto da maternidade é um misto de contradições deliciosas)
(e o meu filho já diz mãe. Dantes era "mamãmamã" que agora usa apenas nos momentos de mimo. De resto, é utilizada a palavra como deve ser!)

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Armando Vara passou à frente de utentes de centro de saúde


«Armando Vara protagonizou, na passada quinta-feira, um episódio polémico num centro de saúde de Lisboa. O ex-ministro socialista passou à frente dos utentes que aguardavam a sua vez e exigiu a uma médica que lhe passasse um atestado médico, alegando estar com pressa e ter um avião para apanhar, avança a TVI.
Armando Vara ainda não se pronunciou acerca deste episódio (PÚBLICO)

Perante este cenário, um dos doentes que estava à espera no centro de saúde apresentou uma reclamação. José Francisco Tavares, de 68 anos, reformado e com seis filhos, de acordo com a mesma estação televisiva, dirigiu-se ao centro de saúde com um ataque de sinusite.

Quando chegou, ficou à espera da sua vez, como acontece normalmente nestas situações. Porém, quando Armando Vara chegou ao centro, desrespeitou a ordem de chegada dos doentes e entrou no gabinete da médica.

A médica, surpreendida, - relata a TVI - ainda disse a Armando Vara que o não tinha chamado. “Mas ele respondeu que estava cheio de pressa para apanhar um avião. E a médica que lhe passasse o atestado na hora”, escreve o site da estação de televisão.

A médica acabou por lhe passar o atestado, indica a estação de televisão.

Em declarações à TVI, a directora do centro de saúde, Manuela Peleteiro, explicou o sucedido: “O senhor Armando Vara entrou aí como qualquer utente e passou à frente de toda a gente. Entrou no gabinete da médica sem avisar e sem que a médica percebesse que não estava na sua vez. Foi uma situação de abuso absolutamente inconfundível”.

Armando Vara ainda não se pronunciou acerca deste episódio.»
Fonte: jornal Público

(roubado à descarada do blogue da coconafralda)

Fins-de-semana

No fim-de-semana tivémos o André e a Joana a jantar lá em casa. No fim-de-semana fomos a casa da Sofia e do Francisco e estivemos com a pequena Maria (tarde de crianças, portanto). No fim-de-semana encontrámos o casal berardino com o pequeno Francisco. 1h à conversa. Dois miúdos com um dia de diferença e com birra. No fim-de-semana o batato fez um peixe assado no forno delicioso. Até o piratinha se lambeu. No fim-de-semana vimos "O Rapaz do Pijama às Riscas".

(Sendo que no próximo fim-de-sem estou a trabalhar no jogo de rugby PT-Georgia, e no seguinte na Taça Davis, que tal passarmos já para dia 18 de Março, dia em que arranco para Paris???????????????????????????????????? hum?)

domingo, 20 de fevereiro de 2011

E agora que não encontro a certidão de nascimento do pirata??????? Como lhe faço o cartão??? Ele só nasceu há 1 ano... shame on me...

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A vida como ela é

A vida é engraçada. As preocupações de outrora, "para onde vou de férias?", "será que ele está na minha?", "onde vamos sair hoje?", "será que ele gostou tanto da queca quanto eu?", "hoje saio com a Inês ou com a Cláudia?", "vou ao cinema ou à praia?", "no fim de semana durmo até à uma ou acordo cedo e vou de viagem até ao porto?", deram lugar a outras bem diferentes "quantas vezes fez cocó hoje?", "comeu tudo?", "dormiu quanto tempo?", "esteve de birra ou bem disposto?", "será que esta noite vai dormir?", "ai que apanhou frio, será que fica doente?".

A vida consegue ser lixada. No bom sentido, pois está claro. Era bom quando não tinhamos horários. Nem regras. Nem planos para o dia seguinte. E era tudo decidido na hora. Sem stresses. Sem pressas. Mas também é bom (não digo que é melhor, porque são coisas bem diferentes) saber que vou chegar a casa e vou ter uma alminha aos saltos e gritinhos por me ver. E vê-lo crescer todos os dias mais um pouquinho. E sentir os abraços e beijinhos que me dá. E saber que realmente gosta de mim.

O que questiono é porque é que não podemos ter as duas coisas?
(provavelmente sou egoista, mas devia existir a possibilidade de juntarmos as duas formas de vida e continuarmos (ainda mais) felizes)
(a questão é que se temos uma vida, queremos outra, e sempre assim)

Portugal no seu melhor

Entrega de prémios "Paridade - Mulheres e Homens na Comunicação Social". Palácio Foz. Atribuído pela CIG - Comissão para a Cidadania e a Igualdade do Género. Mesa: Jorge Lacão (MAP), Elza Pais (Sec. Estado da Igualdade), Teresa Fragoso (CIG) e Fernanda Cancio (jornalista).

A minha questão é: o que é que esta senhora estava a fazer na mesa? Qual foi o papel dela? Nunca escreveu nem duas linhas sobre igualdade (ou afins). Não fazia parte do júri. Nicles. Pior: chegou atrasada. Quando chegou a altura de falar, não estava presente, foi a barraca. Chegou esbaforida já a sessão tinha tido início há uma boa meia hora.

(de notar que no seu discurso a primeira coisa que fez questão de dizer - a segunda vá, que a primeira prendeu-se com "desculpem o atraso" - foi "este prémio tem 5 anos mas só ontem reparei no seu nome" R-I-D-I-C-U-L-A)

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

:)


Uns dizem que o piratinha tem cabelo de Playmobil. Outros dizem que parece o Tito do "Verão Azul". Outros que parece uma foquinha a fazer sons. É tudo verdade, mas o melhor é quando dizem "é tão igual a ti"




segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

:)

(aos meus, um dia muito muito muito feliz)
(vocês sabem quem...)
(noiva mai linda, obrigada pelo postal - não podia deixar de partilhar)
Sono. Frio. Fome. Falta de cafeína. Segunda-feira.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Dias

Na sexta consegui a folga. Consegui arranjar as unhas e o cabelo. Ir ao cinema sozinha ver "Sexo sem Compromisso", vê-se bem. Soft. Almoçar com uma amiga no Carcavelos Sushi, de frente para o mar. Beber café com outra amiga. Ir jantar em modo grupeta à Mercearia Vencedora. E ontem fui com o piratinha até ao parque dos indios, em Monsanto, aproveitar o sol. Juntámo-nos ao tio Pedro, à sobrinha Maria, ao casal Ana e Fred e ao seu filhote André, e ao Abelha e ao seu filhote João Matias. E depois de vir dar-lhe o almoço e de ele dormir a sesta, fomos a casa da tia Lé onde estivemos também com a tia chinesinha. E fomos ao centro comercial e comprámos mais um livro para a sua colecção. E ao chegarmos a casa, tive de esperar que sua excelência acordasse, no carro. De notar que o pai batato para além de doente trabalhou o dia todinho... E hoje o tempo está uma bosta. E o piratinha está a dormir. E estamos por aqui. E já vi o episódio 14 da última temporada da "Anatomia de Grey". E vi um filme com o De Niro e a Drew Barrymore, "Everything's Ok", ou algo do estilo. Nada de especial. E agora estou a ver um do Woody Allen "Whatever Works". Valha-nos os programas da net para sacar estas coisas! E está frio. E tenho sono. E até já.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Apadoporopo fapalarpar porpor cópódipigospos

A RTP Memória agora passa todos os dias, às 21h30, episódios do "Verão Azul". Já não é a mesma emoção mas ainda dá um certo gozo. Ontem os miúdos fizeram todos greve para mostrarem aos pais que não podem simplesmente negar-lhes coisas sem uma justificação plausível. Primeiro começaram por greve da fala. Depois limitavam-se a responder com um "talvez" a tudo. E, por fim, diziam as palavras todas ao contrário. Provocaram a ira aos pais. Uns apanharam "na tromba". Mas nem por isso desistiram. Isto faz-me lembrar a linguagem dos "pês" que eu partilhava com o meu irmão gémeo e a minha mãe ficava à nora.

Tudo a rezar aos santinhos

Porque diz que amanhã vou conseguir ter a minha folga e fazer tudo o que tinha em mente. Mas para isso vamos todos pedir aos santinhos que não aconteça nada que me impeça. Vá lá. Todos de mãos dadas. Auhmmmm!

Efeitos da música do Pingo Doce

Na parte "Pingo Doce venha cá!" o pirata faz, com a mesma entoação, "ca ca ca".

(haja alguém feliz com a música...)

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

De modos que hoje não me apraz dizer mais nada

Um elefante vê uma cobra pela primeira vez. Muito intrigado pergunta:

- Como é que fazes para te deslocar? Não tens patas!...

- É muito simples - responde a cobra - rastejo, o que me permite avançar.

- Ah... E como é que fazes para te reproduzires? Não tens tomates!...

- É muito simples - responde a cobra já irritada - ponho ovos.

- Ah... E como é que fazes para comer? Não tens mãos nem tromba para levar a comida à boca!...

- Não preciso! Abro a boca assim, bem aberta, e com a minha enorme garganta engulo a minha presa directamente.

- Ah... Ok! Ok! Então, resumindo... rastejas, não tens tomates e só tens garganta... És Chefe de quem?!

Já estou de neura

E pronto, anda uma pessoa a sonhar com a sua folga na sexta, com a sua ida até à praia para respirar a maresia, a ida ao cinema, a outra a um qualquer centro comercial para ver então as calças de ganga, e caput! Greve transtejo que faz com que um colega provavelmente não consiga cá chegar e portanto sobra para o mexilhão.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Puta que os pariu

"Bem-vindo ao serviço via Segurança Social. Neste momento não é possível atender a sua chamada. Por favor ligue mais tarde"

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

E pronto, começou uma semana de greve de transportes para atrapalhar e baralhar toda uma logística da família batata. Haja pachorra...

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Nem sei o que dizer ou o que sentir...

Creche ilegal usava drogas para adormecer os bebés - Portugal - DN

É tão verdade...

Os homens podem estar dispostos a andar ao estalo por causa de um carro mal estacionado ou a carregar móveis sozinhos pela escada – "Fica quieta, eu faço isto sozinho" –, mas espirram três vezes seguidas e começam a queixar-se como se fossem vítimas da peste. Podem não choramingar com uma entrada a pés juntos no jogo de futebol das quintas-feiras depois do trabalho, preferindo ladrar: "Eu já te fodo uma perna", mas com calafrios na pele e a garganta inflamada precisam tanto de colo como um cão triste de calendário. Podem aguentar um funeral sem um vacilo nos joelhos, bater com a porta a meio de uma discussão, suportar o frio por causa do casaco emprestado aos ombros da namorada, mas basta uma congestão nasal com subida da temperatura do corpo para se meterem na cama esperando chás, torradas, maçã assada, mimos e comprimidos em vez supositórios. Não saberia explicar que atributo da biologia das mulheres permite que conduzam um camião durante uma febre flamejante enquanto têm um ataque de tosse e mudam uma fralda. Sobre o gene masculino da pieguice, sei que nós até podíamos ir trabalhar ou sair para comprar remédios ou mudar de roupa interior, mas preferimos a posição fetal na subcave do edredon. Talvez sejamos assim por causa das mães com mãos curativas, por causa da nossa preguiça de homens adultos ou da noção que o corpo, afinal, não é de borracha como na infância a saltar telhados. Talvez sejamos mesmo mais piegas do que gostaríamos de ser. Mas também é possível que só queiramos ver televisão na cama como quem falta à escola em dia de teste. in ionline

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

E pronto, foi a gota de água

O dia mais temido chegou. O meu filho dormiu na nossa cama pela primeiríssima vez. A caminho dos 15 meses, voilá. Vencidos pelo cansaço, pegámos nele e não hesitámos. Estamos a criar um monstro. Podem insultar-me e avisar-me e tudo e tudo aquilo que eu já sei. Eu mereço. E estou a chicotear-me mentalmente. A cereja no topo do bolo? Paizinho que acabou no sofá da sala, porque três na cama parece uma multidão e assim é que ninguém dorme. Clap clap clap para a pior mãe e "marida" do mundo. Euzinha.

(foda-se pá!)
(adormeceu lá. Metemo-lo na cama dele. 3 e tal da matina ficou com a espertina. Nossa cama novamente. E dormimos cada um para seu lado. Mas dormimos)
(sou tão má mãe senhores :((

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

‎2 de Fevereiro - Dia Mundial das Zonas Húmidas

?????????????????????

Parabéns, Vitinho! (Anos 80, esta era a do meu tempo!)



(será que o vitinho tem emprego? Será que já está casado e com filhos? onde será que mora? alguém sabe? )

Parabéns ao meu amiguinho de longa data


(vê se apareces lá por casa e tens uma conversa com o piratinha, ok?)
(muito agradecida)

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Pensar faz-nos estar mais perto do que se deseja, não é?

Tenho saudades dos dias amenos e solarengos em que dá para ir passear com a criança sem pensar "ai meu Deus que vai ficar doente". Saudades de ir almoçar fora, depois dar um passeio, ainda lhe dar o lanche no jardim, com a novidade que já anda e corre e dá gargalhadas e quer jogar à bola. Saudades das férias, do sossego, da piscina, da relva, das revistas futeis, das sestas longas, da areia e do mar. E é isto, por agora.