sábado, 12 de novembro de 2011

Receios

Sei que a primeira semana de escola do meu filho vai ser um martírio para os 3. Ele está tão mas tão mimado e com as atenções tão centradas nele que a coisa até correr bem vai levar o seu tempo. Por isso é que tenho de começar a levá-lo umas horas talvez a partir de Abril (depois do Inverno e do frio passarem) umas vezes por semana, para minimizar a coisa. É só em Setembro e eu já sofro. Isto é ser mãe, presumo...

3 comentários:

Elsa Filipe disse...

Sim ser mãe é ser assim... lol
Mas relaxa. Já estás a sofrer por antecipação e se calhar as coisas vão correr bem melhor do que esperas. Quando trabalhava como educadora, costumava brincar que a pior adaptação é sempre a das mães... e agora como mãe sei o quanto isso é verdade. Nós sofremos muito mais que eles! Adaptam-se melhor do que nós às alterações.

Helena Barreta disse...

Só posso dar-lhe o meu testemunho, mas penso que a vai tranquilizar: o meu filho foi criado e educado por mim, em casa, até perto dos 4 anos, depois esteve um ano com a avó materna e com 5 anos iniciou o percurso escolar. Sem estragos, sem se notar que não tinha andado em infantários, sem se notar que tinha sido mimado, sem dramas, integração na maior, parecia ele que conhecia os colegas há muitos anos. Pelo contrário, o ter sido o centro das atenções, deu-lhe uma boa auto-estima para ser um excelente colega.

Pelo que entendi tem receio que o seu menino sofra com a separação, é normal, mas as crianças surpreendem-nos pela positiva, sempre. Sabe o que vai acontecer? O seu "batatinho" vai adorar ficar lá. E sabe outra coisa incrivel? É que os pais vão adorar esse "largar as asas", as primeiras. E ao contrário do que pensa hoje, naquele dia vai chorar mas de alegria.

Um beijinho

P.S.: depois conte-nos como correu

Juanna disse...

Custa, pois custa. Custou-me imenso. Mas agora é ver a minha miúda a guinchar de satisfação quando vê os amigos "Abid", "Tôniô", ou seja, David e António e todos os outros.

Quanto ao ele estar chato e mimado, posso dizer-te o que fui fazendo? Bebé aos gritinhos e a chorar, "quero colo, colo, colo" e o camandro e tudo era "MEU", e atirava-se para o chão. Contrariar a criatura, deixar começar o berreiro, pegar nela e coloca-la no chão do quarto. Só se chora no quarto, à centésima vez que voltei a pegar nela percebeu que enquanto chora, tem de ficar no quarto. Agora abre a goela e eu pergunto "há choro? vai para o quarto"e pufff, magicamente o choro acaba. Persistência é a solução, eles são bichos por domesticar e é incrível a quantidade de gente que não entende que eles PRECISAM de ordens e rotinas para saberem que NÓS nos importamos com eles. Dizer não e educar é mostrar que os amamos.