segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Sobre a despedida de solteira

A despedida da nossa sinho laró correu "de feição". Muita piscina (vá-se lá saber, mas ali estava um verão à séria!), uma sessão fotográfica a sério, um life paper, presentes, jantar, amizade, conversas, felicidade, crachás e autocolantes feitos para a ocasião. Nada de pilas e vibradores e afins. Cada vez acho mais que a amizade é mesmo o melhor do mundo. Mesmo num casal, se não existir ali esse sentimento a coisa não pode correr bem. Não pode mesmo. Porque a paixão não é eterna. E porque o amor e a amizade estão obrigatoriamente misturados. Eu amo os meus amigos. Eu adoro o meu batato. Eu amo o batato. Eu adoro os meus amigos. E no fundo são os amigos que nos apanham quando caímos. E que nos seguram na mão quando temos medo. E quando choramos, secam-nos as lágrimas com as mãos deles. Há melhor? E entre amigos podemos ser nós. E embirrar e estar mal dispostos e gritar e dizer o que pensamos e depois fica tudo bem.

(foi mesmo muito bom e a sinha estava feliz que só ela. só isso vale tudo)

3 comentários:

Cláudia disse...

Não me leve a mal...já a leio há algum tempo e gosto muito...mas não resisti...«à séria» é o quê? É o feminino de «a sério»??
Veja aqui...http://doc.jurispro.net/articles.php?lng=pt&pg=17010

É que , a sério, não lhe fica nada bem...

Xs disse...

Vai a este meu post.
http://ateaoscem.blogs.sapo.pt/15563.html

;)

joaotvalente disse...

Críticas "à séria" pelo uso de "expressões ideomáticas consagradas ...". A preocupação maior deveria ser com os "assassinatos á língua" a pretexto do novo acordo ortográfico já assinado (não é a suspensão do mesmo até porque a linguagem tem de evoluir, é sim a utilização do mesmo para escrever barbaridades como "Egito" e outras que tais, mantendo os "egípcios" ...)