terça-feira, 30 de agosto de 2011

tempos

Eu sou do tempo dos carrinhos de rolamentos. Eu sou do tempo dos canudos e de atirar aqueles bem afiados que podiam perfurar olhos de velhinhas. Eu sou do tempo de jogar à bola na rua. Eu sou do tempo de tocar às campainhas e fugir. Eu sou do tempo em que se ficava na rua até tarde, entre amigos, e depois os vizinhos chamavam a polícia por causa do barulho e tinhamos de mostrar a nossa identificação. Eu sou do tempo dos que iam para o salão de jogos. Eu sou do tempo em que se andava numa escola preparatória, os ciganos e os pretos barricavam a escola e não deixavam sair ninguém, se ligava aos pais e eles diziam "espera que passe e vem para casa", sem quaisquer alarmismos. Eu sou do tempo das guerras de playmobis e do spectrum e do subutteo (n sei se está bem escrito) e da caderneta do méxico 86 e do lima limão e da bota botilde e de ter os joelhos sempre negros e de jogar às escondidas na rua e de praticamente só brincar com rapazes (com um gémeo e um mais velho, só podia), eu sou do tempo em que ia a pé para a escola primária, sem pais atrás. e dali ia para o ballet, também sem escolta.

eu sou do tempo das pessoas felizes

7 comentários:

Maia do Avesso disse...

Eu também sou desse tempo e acrescento os joelhos tingidos de mercúrio!!

Xs disse...

Eu também!
E que saudades.....

As conversa da Sopa disse...

Eu também sou desse tempo. E, que feliz que era. Mas hoje em dia, esses tempos deixaram de existir.

lisbon new-yorker disse...

Bons velhos tempos :)

beijinhos,
lisbon new-yorker

Sem Pé disse...

... e duques! As coisas pareciam tão menos complicadas

Pais criativos,filhos felizes disse...

Que blog tão feliz :)
Convido-a a conhecer o blog dos pais criativos www.paiscriativos.blogspot.com onde partilhamos actividades entre pais para tornar os nossos filhos ainda mais felizes!! :)

diafeliz disse...

E os tamagochi? Lembras-te? E o computador Comodore? Ainda cá mora, para recordação. E o cubo mágico? já estou baralhada, não tenho a certeza se tb é desse tempo.
Os tamagochi eram tão queridos! Obrigavam as crianças a simular que tomavam conta de um ser vivo. Comiam, dormiam, tomavam banho! Teem razão! Bons velhos tempos.