sexta-feira, 8 de abril de 2011

Tenho de virar puta?

Ontem passou na RTP uma reportagem sobre a prostituição no nosso país. Na rua, em casas alugadas, vidas duplas, umas mais finas (?) outras nem tanto. Whatever. Há uma associação que vai a casa destas "senhoras", lhes dá preservativos, disponibiliza vacinas para a hepatite, and so on... Posso ser uma grande besta, que sou de certezinha, mas porque raio a mim ninguém me bate à porta para me oferecer as 3 tomas da vacina da hepatite (os preservativos também são bem-vindos)? Porque não vendo o corpinho? Desculpem lá, mas essas senhoras que cobram 25 euros por uma rapidinha de 10 minutos, e ganham o triplo ou o quadruplo do que eu ganho (e é porque pelos vistos a crise também chegou ali), para além de terem formação mínima e de não serem parvinhas nenhumas (que é como quem diz, sabem muito bem os riscos que correm), ainda pagam rendas de apartamentos no centro de Lisboa, fazem férias de luxo e o camandro, porque raio elas têm direito à puta da vacina (que custa os olhos da cara) e a restante população não é tida nem achada? Sim já sei que sou um monstro e o que quiserem, mas essa é a vida que elas escolheram, espertinhas. De dia são advogadas e afins e à noite fazem ali uns 2 ou 3 biscates e ficam com o mês feito. Outras deixaram as vidas comuns, de empregadas de escritório, ou vieram lá do país delas para pôr o corpinho a render. Por alma de quem essas personagens recebem estas coisas gratuitamente e eu tenho de ir à farmácia orientar-me? (porca de vida!)

16 comentários:

Sopa disse...

Muito bem dito!Nós, que trabalhamos, honestamente, de sol a sol, não recebemos nada de graça e elas que ganham balúrdios, por uma vida que escolheram ainda têm estas mordomias. A vida é mesmo injusta!

Lita disse...

mais razão?? impossivel!

Helena Barreta disse...

Concordo com tudo o que disse. Não sei porque é que ainda fico chocada com este tipo de coisas, quando constato que este país não é para pessoas normais nem para quem trabalha.

Se calhar, aquelas vacinas que as crianças e bebés precisam e que não fazem parte do programa nacional de vacinação e que são caras como tudo, não as disponibilizam gratuitamente para aqueles que não têm dinheiro para as comprar.

Party Girl disse...

Tb vi essa reportagem batata... e tb me impressionou algumas situações!

G disse...

Chama-se Estado Social.

Vih disse...

Boa tarde Rita (acha que a posso tratar assim?!)
sou da mesma opinião e isso não faz de nós monstros. Apesar de não ter visto a reportagem, vi hoje de manha a Andreia (ex concorrente daquele reality show, a.k.a ópio do povo, que foi a Casa dos segredos)com cara de vitima a dizer que num mes não muito bom ganhava 75 mil euros!!!! Fiquei chocada. É caso para dizer: Puta de vida.

A mamã da Beatriz... disse...

ah pois... concordo plenamente!!!

Luna Piena disse...

mai nada!

Anónimo disse...

Penso que a lógica aí é não só protegê-las a elas, mas a população em geral. Uma maneira de travar a propagação de doenças. A mesma coisa com as seringas gratuitas dos toxicodependentes. Não é só por eles...

No fundo o Estado está a ajudá-los, é um facto, mas a lógica não é 100% altruista!

Juanna disse...

Bem, eu acho que o objectivo é proteger as pessoas delas. Ou seja, imagina que uma amiga tua tem um marido que vai às putas e ela nem sabe. Contagia-a, por consequência ela pode contagiar os filhos, os filhos os amigos, etc..

Mónica disse...

olá...pontualmente vejo este blog e não consegui sair sem deixar um pequeno ocmentário. A reportagem que virão não foi nada realista nem retrata a realidade destas mulheres. Por favor, tenham o cuidado de perceber que a temática da legalização da prostituição está pretes a "rebentar" e tudo faz parte de uma campanha neste sentido. Eu sou psicóloga numa Instituição que apoia pessoas que se prostituem e trabalho nesta àrea há anos... já vi centenas e centenas de mulheres e esta não é a realidade. por trás de muitas delas há redes de proxenetismo mais ou menos organizadas e acima de tudo há histórias de vida complexas com problemáticas variadas. Não julguem nunca com base nas nossas vivências. Eu, a escritora deste blogue ou as várias pessoas que aqui comentaram jamais recorreriam à prática de se prostituir porque têm auto-estima,amor-próprio e recursos psicológicos para não o fazer. Estas mulheres estão "partidas" por dentro e não digam que a vida é fácil porque ser penetrada 20 x ao dia numa beira de estrada não pode ser nem deve nunca ser fácil!

Mónica disse...

ui..nem li o comentário uma 2ª vez..está ali um erro não é virão mas claro que é viram! e desculpem o desabafo, sei que as opiniões nesta temática são muito variadas!

SaraCSaraiva disse...

Não é monstro nenhum. Concordo plenamente. Daqui a pouco para combater a crise temos todas de virar putar, pois tá visto que dá lucros maiores do que ser um cidadão normal, com uma vida e profissão normais.
E mais: quem sustenta essas ofertas todas às senhoritas? Nós!!!
É este o bonito pais que temos! Vergonha!

Juanna disse...

Continuo a achar que é uma opção positiva. Porque assim sendo, se uma mulher manda uma sem ter cuidados e engravida, porque é que tenho de ser eu pagar o aborto? E a lista é imensa, para isso temos um Estado Social. E eu prefiro um Estado Social.

Anónimo disse...

è certo que a realidade é bem diferente para quem é prostituta de rua e prostituta de luxo, no entanto não entendo o porque de o Estado sustentar essas questões, quem procura essas mulheres também sabe o risco que corre, também fomenta esse negócio.
Há histórias de muito sofrimento, e certamente não podemos generalizar o tema, mas podemos sempre mudar, dar a volta á nossa vida, não é tarefa fácil mas não é impossível.
Portanto usar os nossos impostos para essas questões é um pouco absurdo, uma vez que existem tantas situações a precisar de ajuda, tais como idosos que trabalharam toda uma vida e agora não teem dinheiro suficiente para pagar a medicação.
Enfim é o país que temos, e a mentalidade que temos.

Manuela

Anónimo disse...

eu acho que se o estado está a distribuir gratuitamente vacinas, preservativos e outras tretas ás prostitutas, pode até estar a dispender dinheiro neste momento, mas a poupar dinheiro e saúde no futuro. Na realidade, eu acho que deveriam dar formação e informação ás prostitutas, porque a realidade é bem diferente do que voces podem imaginar. Apenas uma minoria é considerada de luxo, a maioria são putitas da treta exploradas em apartamentos em que têm que dar metade da percentagem aos chulos, ou na rua, em que se não derem quase a totalidade são espancadas, trocadas, viciadas. Se têm doenças? obviamente, nem sempre o que se escolhe teve escolha. Portanto meninas, o melhor a fazer é educar os maridinhos em casa, porque TODOS eles, se pudessem jamais usariam um preservativo com elas, (alegam que lhes tira a sensibilidade), e quando abrem a boca para falar de nós... enfim... até a puta fica com pena... e agradeçam a quem se lembrou de lhes dar os preservativos, porque se não , na maioria dos casos teriam que se preocupar com bem mais do que com a hepatite...
Peço desculpa pelo incomodo
obrigado...