sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Vivá Festa do Avante!

E teve medo, muito medo. Às constantes tentativas de intimidação por parte dos inimigos comunistas, o repórter assumidamente reaccionário respondeu com a sua polaróide e registou todas as adversidades. Entre uma e outra conversas mais azeda, ainda teve tempo para comer bem e beber melhor.

Dizem-se muitas mentiras acerca da Festa do Avante! Estas são as mais populares: que é irrelevante; que é um anacronismo; que é decadente; que é um grande negócio disfarçado de festa; que já perdeu o conteúdo político; que hoje é só comes e bebes.

É muita gente; muita alegria; muita convicção; muito propósito comum. Pode não ser de bom-tom dizê-lo, mas o choque inicial é sempre o mesmo: chiça!, Afinal os comunistas são mais que as mães. E bem dispostos. Porquê tão bem dispostos? O que é que eles sabem que eu ainda não sei?

É sempre desconfortável estar rodeado por pessoas com ideias contrárias às nossas. Mas quando a multidão é gigante e a ideia é contrária e só uma – então, muito francamente, é aterrador.

Até por uma questão de respeito, o Partido Comunista Português merece que se tenha medo dele. Tratá-lo como uma relíquia engraçada do século XX é uma desconsideração e um perigo. Mal por mal, mais vale acreditar que comem criancinhas ao pequeno-almoço.

Bem sei que a condescendência é uma arma e que fica bem elogiar os comunistas como fiéis aos princípios e tocantemente inamovíveis, coitadinhos.

É esta a maneira mais fácil de fingir que não existem e de esperar, com toda a estupidez, que, se os ignoramos, acabarão por se ir embora.

As festas do Avante!, por muito que custe aos anticomunistas reconhecê-lo, são magníficas.

É espantoso ver o que se alcança com um bocadinho de colaboração. Não só no sentido verdadeiro, de trabalhar com os outros, como no nobre, que é trabalhar de graça.

A condescendência leva-nos a alvitrar que “assim também eu” e que as festas dos outros partidos também seriam boas caso estivessem um ano inteiro a prepará-las. Está bem, está: nem assim iam lá. Porque não basta trabalhar: também é preciso querer mudar o mundo. E querer só por si, não chega. É preciso ter a certeza que se vai mudá-lo.

Em vez de usar, para explicar tudo, o velho chavão da “ capacidade de organização” do velho PCP, temos é que perguntar porque é que se dão ao trabalho de se organizarem.

Porque os comunistas não se limitam a acreditar que a história lhes dará razão: acreditam que são a razão da própria história. É por isso que não podem parar; que aguentam todas as derrotas e todos os revezes; que são dotados de uma avassaladora e paradoxalmente energética paciência; porque acreditam que são a última barreira entre a civilização e a selvajaria. E talvez sejam. Basta completar a frase "Se não fossem os comunistas, hoje não haveria..." e compreende-se que, para eles, são muitas as conquistas meramente "burguesas " que lhes devemos, como o direito à greve e à liberdade de expressão.

É por isso que não se sentem “derrotados”. O desaparecimento da URSS, por exemplo, pode ter sido chato mas, na amplitude do panorama marxista-leninista, foi apenas um contratempo. Mas não é só por isso que a Festa do Avante! faz medo. Também porque é convincente. Os comunas não só sabem divertir-se como são mestres, como nunca vi, do à-vontade. Todos fazem o que lhes apetece, sem complexos nem receios de qualquer espécie. Até o show off é mínimo e saudável.

Espero que não se ofendam os sportinguistas e comunistas quando eu disser que estar na Festa do Avante! Foi como assistir à festa de rua quando o Sporting ganhou o campeonato. Até aí eu tinha a ideia, como sábio benfiquista, que os sportinguistas eram uma minúscula agremiação de queques em que um dos requisitos fundamentais era não gostar muito de futebol.

Quando vi as multidões de sportinguistas a festejar – de todas as classes, cores e qualidades de camisolas -, fiquei tão espantado que ainda levei uns minutos a ficar profundamente deprimido.

Por outro lado, quando se vê que os comunistas não fazem o favor de corresponder à conveniência instantaneamente arrumável das nossas expectativas - nem o PCP é o IKEA -, a primeira reacção é de canseira. Como quem diz:”Que chatice – não só não são iguais ao que eu pensava como são todos diferentes. Vou ter de avaliá-los um a um. Estou tramado. Nunca mais saio daqui.”

Nem tão pouco há a consolação ilusória do pick and choose.

...É uma sólida tradição dizer que temos de aprender com os comunistas... Infelizmente é impossível. Ser-se comunista é uma coisa inteira e não se pode estar a partir aos bocados. A força dos comunistas não é o sonho nem a saudade: é o dia-a dia; é o trabalho; é o ir fazendo; e resistindo, nas festas como nas lutas.
Há uma frase do
Jerónimo de Sousa no comício de encerramento que diz tudo. A propósito de Cuba (que não está a atravessar um período particularmente feliz), diz que “resistir já é vencer”.

É verdade – sobretudo se dermos a devida importância ao “”. Aquele “” é o contrário da pressa, mas é também “agora”.

Na Festa do Avante! Não se vêem comunistas desiludidos ou frustrados. Nem tão pouco delirantemente esperançosos. A verdade é que se sente a consciência de que as coisas, por muito más que estejam, poderiam estar piores. Se não fossem os comunistas: eles.

Há um contentamento que é próprio dos resistentes. Dos que existem apesar de a maioria os considerar ultrapassados, anacrónicos, extintos. Há um prazer na teimosia; em ser como se é. Para mais, a embirração dos comunistas, comparada com as dos outros partidos, é clássica e imbatível: a pobreza. De Portugal e de metade do mundo, num Portugal e num mundo onde uns poucos têm muito mais do que alguma vez poderiam precisar.

Na Festa do Avante! Sente-se a satisfação de chatear. O PCP chateia. Os sindicatos chateiam. A dimensão e o êxito da Festa chateiam. Põem em causa as desculpas correntes da apatia. Do ensimesmamento online, do relativismo ou niilismo ideológico. Chatear é uma forma especialmente eficaz de resistir. Pode ser miudinho – mas, sendo constante, faz a diferença.

Resistir é já vencer. A Festa do Avante! é uma vitória anualmente renovada e ampliada dessa resistência. ... Verdade se diga, já não é sem dificuldade que resisto. Quando se despe um preconceito, o que é que se veste em vez dele? Resta-me apenas a independência de espírito para exprimir a única reacção inteligente a mais uma Festa do Avante!: dar os parabéns a quem a fez e mais outros a quem lá esteve. Isto é, no caso pouco provável de não serem as mesmíssimas pessoas.

Parabéns! E, para mais, pouquíssimo contrariado. (E só com um bocadinho de nada com medo).
A Exposição do Mundo português era “para inglês ver”, mas a Festa do Avante! Em muitos aspectos importantes, parece mesmo inglesa. Para mais, inglesa no sentido irreal. As bichas, direitinhas e céleres, não podiam ser menos portuguesas. Nem tão-pouco a maneira como cada pessoa limpa a mesa antes de se levantar, deixando-a impecável.

As brigadas de limpeza por sua vez, estão sempre a passar, recolhendo e substituindo os sacos do lixo. Para uma festa daquele tamanho, com tanta gente a divertir-se, a sujidade é quase nenhuma. É maravilhoso ver o resultado de tanto civismo individual e de tanta competência administrativa. Raios os partam.

Se a Festa do Avante! dá uma pequena ideia de como seria Portugal se mandassem os comunistas, confessemos que não seria nada mau. A coisa está tão bem organizada que não se vê. Passa-se o mesmo com os seguranças - atentos mas invisíveis e deslizantes, sem interromper nem intimidar uma mosca.

O preconceito anticomunista dá-os como disciplinados e regimentados – se calhar, estamos a confundi-los com a Mocidade portuguesa. Não são nada disso. A Festa funciona para que eles não tenham de funcionar. Ao contrário de tantos festivais apolíticos, não há pressa; a ansiedade da diversão; o cumprimento de rotinas obrigatórias; a preocupação com a aparência. Há até, sem se sentir ameaçado por tudo o que se passa à volta, um saudável tédio, de piquenique depois de uma barrigada, à espera da ocupação do sono.

Quando se fala na capacidade de “mobilização” do PCP pretende-se criar a impressão de que os militantes são autómatos que acorrem a cada toque de sineta. Como falsa noção, é até das mais tranquilizadoras. Para os partidos menos mobilizadores, diante do fiasco das suas festas, consola pensar que os comunistas foram submetidos a uma lavagem ao cérebro.

Nem vale a pena indagar acerca da marca do champô.

Já é a segunda vez que lá vou e posso garantir que não é nada dessas coisas e que não só é escusado como perigoso fingir que é. Porque a verdade verdadinha é que a Festa do Avante! faz um bocadinho de medo.

O que se segue não é tanto uma crónica sobre essa festa como a reportagem de um preconceito acerca dela - um preconceito gigantesco que envolve a grande maioria dos portugueses. Ou pelo menos a mim.

Porque é que a Festa do Avante! faz medo?

Enquanto os outros partidos puxam dos bolsos para oferecer concertos de borla, a que assistem apenas familiares e transeuntes, a Festa do Avante! enche-se de entusiásticos pagadores de bilhetes.

E porquê? Porque é a festa de todos eles. Eles não só querem lá estar como gostam de lá estar. Não há a distinção entre “nós” dirigentes e “eles” militantes, que impera nos outros partidos. Há um tu-cá-tu-lá quase de festa de finalistas.

É um alívio a falta de entusiasmo fabricado – e, num sentido geral de esforço. Não há consensos propostos ou unanimidades às quais aderir. Uns queixam-se de que já não é o que era e que dantes era melhor; outros que nunca foi tão bom.

É claro que nada disto será novidade para quem lá vai. Parece óbvio. Mas para quem gosta de dar uma sacudidela aos preconceitos anticomunista é um exercício de higiene mental.

Por muito que custe dize-lo, o preconceito - base, dos mais ligeiros snobismos e sectarismos ao mais feroz racismo, anda sempre à volta da noção de que “eles não são como nós”. É muito conveniente esta separação. Mas é tão ténue que basta uma pequena aproximação para perceber, de repente, que “afinal eles são como nós”.

Uma vez passada a tristeza pelo desaparecimento da justificação da nossa superioridade (e a vergonha por ter sido tão simples), sente-se de novo respeito pela cabeça de cada um.

Toda a gente se trata da mesma maneira, sem falsas distâncias nem proximidades. Ninguém procura controlar, convencer ou impressionar ninguém. As palavras são ditas conforme saem e as discussões são espontâneas e animadas. É muito refrescante esta honestidade. É bom (mas raro) uma pessoa sentir-se à vontade em público. Na Festa do Avante! é automático.

Dava-nos jeito que se vestissem todos da mesma maneira e dissessem e fizessem as mesmas coisas – paciência. Dava-nos jeito que estivessem eufóricos; tragicamente iluminados pela inevitabilidade do comunismo – mas não estão. Estão é fartos do capitalismo – e um bocadinho zangados.

Não há psicologias de multidões para ninguém: são mais que muitos, mas cada um está na sua. Isto é muito importante. Ninguém ali está a ser levado ou foi trazido ou está só por estar. Nada é forçado. Não há chamarizes nem compulsões. Vale tudo até o aborrecimento. Ou seja: é o contrário do que se pensa quando se pensa num comício ou numa festa obrigatória. Muito menos comunista.

Sabe bem passear no meio de tanta rebeldia. Sabe bem ficar confuso. Todos os portugueses haviam de ir de cinco em cinco anos a uma Festa do Avante!, só para enxotar estereótipos e baralhar ideias. Convinha-nos pensar que as comunas eram um rebanho mas a parecença é mais com um jardim zoológico inteiro. Ali uma zebra; em frente um leão e um flamingo; aqui ao lado uma manada de guardas a dormir na relva.

Quando se chega à Festa o que mais impressiona é a falta de paranóia. Ninguém está ansioso, a começar pelos seguranças que nos deixam passar só com um sorriso, sem nos vasculhar as malas ou apalpar as ancas. Em matéria de livre de trânsito, é como voltar aos anos 60.

Só essa ausência de suspeita vale o preço do bilhete. Nos tempos que correm, vale ouro. Há milhares de pessoas a entrar e a sair mas não há bichas. A circulação é perfeitamente sanguínea. É muito bom quando não desconfiamos de nós.

Mesmo assim tenho de confessar, como reaccionário que sou, que me passou pela cabeça que a razão de tanta preocupação talvez fosse a probabilidade de todos os potenciais bombistas já estarem lá dentro, nos pavilhões internacionais, a beber copos uns com os outros e a divertirem-se.

A Festa do Avante! é sempre maior do que se pensa. Está muito bem arrumada ao ponto de permitir deambulações e descobertas alegres. Ao admirar a grandiosidade das avenidas e dos quarteirões de restaurantes, representando o país inteiro e os PALOP, é difícil não pensar numa versão democrática da Exposição do Mundo Português, expurgada de pompa e de artifício. E de salazarismo, claro.

Assim se chega a outro preconceito conveniente. Dava-nos jeito que a festa do PCP fosse partidária, sectária e ideologicamente estrangeirada. Na verdade, não podia ser mais portuguesa e saudavelmente nacionalista.

O desaparecimento da União Soviética foi, deste ponto de vista, particularmente infeliz por ter eliminado a potência cujas ordens eram cegamente obedecidas pelo PCP.

Sem a orientação e o financiamento de Moscovo, o PCP deveria ter também fenecido e finado. Mas não: ei-lo. Grande chatice.

Quer se queira quer não (eu não queria), sente-se na Festa do Avante! Que está ali uma reserva ecológica de Portugal. Se por acaso falharem os modelos vigentes, poderemos ir buscar as sementes e os enxertos para começar tudo o que é Portugal outra vez.

A teimosia comunista é culturalmente valiosa porque é a nossa própria cultura que é teimosa. A diferença às modas e às tendências dos comunistas não é uma atitude: é um dos resultados daquela persistência dos nossos hábitos. Não é uma defesa ideológica: é uma prática que reforça e eterniza só por ser praticada. (Fiquemos por aqui que já estou a escrever à comunista).

(por Miguel Esteves Cardoso)

9 comentários:

Helena Barreta disse...

Gosto tanto da escrita deste homem, senhores.

A Festa do Avante fica, literalmente, à minha porta. E o ambiente é tal e qual o que o texto tão bem descreve e muito mais. A Festa do Avante, de ano para ano, está a tornar-se no último festival de Verão.

O que mais gosto de ver é a convivência pacífica entre pessoas tão distintas. E come-se muito bem.

Anónimo disse...

Vou à festa do Avante desde 2007, e adoro, e realmente o que está lá representado é uma liberdade extrema, na qual cada um faz o que quer sem se preocupar com os outros e na qual está representada a verdadeira expressão do "Todos iguais, todos diferentes", pois somos tratados todos de igual modo, apesar das nossas diferenças, onde as pessoas sabem pedir desculpa e são sempre simpáticas.

Joao Manuel disse...

É preciso lá ir para "sentir" a festa !!! E realmente é um dos grandes festivais de música deste país ... a preços muito concorrenciais em relação a outros ... Pena é que o espaço (com a magnífica vista sobre aquela baia) não seja aproveitado para outros eventos como acontece com espaços semelhantes em França

Juanna disse...

O que é ser comunista? É porque os que conheço andam de BMW, enxotam os pobres na rua e têm casa própria e casa de férias...

DiaMantino disse...

E isto foi mesmo depois da Festa de 2007... na revista Sábado, de 13 de Setembro.
Mas continua bem actual. Quem não foi ainda à Festa, faça de conta que desconfia do MEC - e prepare-se para estar na próxima!

efilipe disse...

Eu pessoalmente só lá vou quando em trabalho - se sou mesmo obrigada! Não sou contra nem nada disso, apenas não gosto de confusões - também não sou fã de festivais, discotecas apinhadas ou grandes manifestações. Mas sem dúvida que é uma festa sem igual, independentemente da cor política. É um espaço aberto a grandes artistas, com uma liberdade extrema que nem sempre se vê. O que estraga a festa são os exageros. As miúdas de 15 anos em coma alcoólico que tenho de levar para o Hospital, os rapazes embriagados que são levados até à saída da festa, de ambulância, e ali deixados a "curar" a ressaca. Isso irrita-me profundamente e deixa-me triste por saber que há pessoas que perdem a noção do que é divertir-se. E nas segundas-feiras seguintes, aquando do desmontar das tendas e da festa em si, lá estamos para amparar o que sobra de alguns corações destroçados (mulheres que fingem crises e dores no peito, para chamar a atenção dos maridos que em algum momento da festa, as trocaram por outra ou não lhes deram a devida atenção... restos da embriaguez dos últimos dias...) no meio do pó, dos cabos que roçam na viatura e dos ramos das árvores que riscam a pintura.

Não gosto da festa, não pela festa, mas porque dela vejo mais o lado escondido e decadente. O lado de quem não se sabe divertir sem se embebedar e dar trabalho aos outros. Mas isso sou eu.

Joao Manuel disse...

Sra. D. 'efilipe' quando fizer afirmações procure confirmá-las s.f.f.!!! A festa do "Avante!" sempre teve um posto médico a funcionar com equipas especializadas tanto de médicos como de enfermagem com formação em cuidados intensivos e articuladas com os hospitais da zona. NINGUÉM seja jovem ou adulto é deixado "à saída da festa a 'curar' a ressaca" nem NUNCA "miúdas de quinze anos são levadas ao hospital em coma alcoólico" sem serem os serviços de saúde a encaminhá-las se necessário.
Esse "cenário" que descreve não é, nem nunca foi, o da festa do "Avante!"

conceicaobarreta disse...

efilipe,isso de que fala esses exageros,não são só no Avante pelamordedeus,e não são todos os jovens que não sabem curtir a adolescência,nos festivais de verão há de tudo como no Avante,até parece que os comunistas são culpados dos excessos dos jovens e dos menos jovens.Mas o M.E.C. acertou na mouche,e não não sou comunista.

Joao Manuel disse...

Para a "Juanna" :
"O que é ser comunista hoje" (final da primeira década do séc. XXI) ??
Em poucas palavras e para além de todo o "discurso" que vem em todos os livros sobre a "evolução social baseada na luta de classes" e a actual fase de evolução social em que estamos, na Europa e não só, definida como "fase capitalista no seu estadio monopolista, sem pátria e sem cor política" e onde a "classe dos proletários" ("a que nada tem a não ser as grilhetas de que se pode libertar ..." de acordo com Karl Marx) é a única que pode desempenhar um papel revolucionário, os comunistas definem-se como os que melhor interpretam esta realidade e como tal melhor "habilitados" estão para lutar contra estas desigualdades.
Em resumo, a sociedade socialista pela qual lutam, define-se como a que atribui "de cada um de acordo com o seu trabalho". Quando a evolução permitir, pelo desenvolvimento social, dar um "salto qualitativo" para a transformação numa "sociedade comunista", esta define-se como a que atribui "a cada um segundo as suas necessidades" (já não apenas de acordo com o seu trabalho ...). Pensou-se que os ex-países de leste estariam no limiar desta nova fase mas verificou-se que aí foram criados novos "grupos sociais" com os mesmos (ou até piores ...) hábitos das classes que se queriam combater.
Por outro lado a "propriedade privada" que combatem é só e apenas a "dos meios de produção" (agrícola, industrial e financeira ...)

Mas os comunistas vivem de acordo com os padrões sociais da sociedade em que se inserem e não fazem votos de pobreza miserabilista do tipo da Ordem dos Franciscanos. Assim, não e o mesmo ser comunista em Portugal (o 27.º país em termos de qualidade de vida de acordo com os padrões da ONU, mas onde a falta de um mercado de arrendamento obriga a classe operária a ser "dona" das casas que habita, ao contrário do que acontece por exemplo em Inglaterra) ou no Burkina Fasso (o país com pior qualidade de vida, também de acordo com os padrões da ONU), visto serem sociedades completamente diferentes