sexta-feira, 18 de junho de 2010

RIP

E lá se foi o Saramago. É o tema do dia. O Nobel português da literatura faleceu aos 87 anos. Nunca fui grande fã da sua escrita, que muito respeito. Nunca fui fã dele. Nadinha. Mas ok. Perde-se uma grande referência do nosso meio literário. Só tenho pena de achar é que o próprio se considerava parte do meio literário espanhol...

(que descanse em paz)

4 comentários:

Juanna disse...

É como a MJ Pires. Mas eu compreendo porque quando existem pessoas que querem fazer coisas culturais e precisam de dinheiros do Estado (e ficam a ver navios), sentem-se revoltadas. Digo isto porque conheci o meio da MJ Pires, a qual se fartou de lutar contra o gigante adormecido e analfabeto do Estado português.

Joao Manuel disse...

Saramago foi alguém que marcará para sempre (goste-se ou não dele) as letras deste país. Depois da(s) polémica(s) levantada(s)nos livros que escreveu, no estilo de escrita que adoptou e quando, a pretexto da eleição de Cavaco, decidiu ir para Lanzarote viver a paz que lhe faltava aqui com o amor da sua vida, cobras e lagartos disseram dele os mentideiros "comentadores" políticos da nossa praça que ocupam os tempos de antena dos 'media' pagos a peso de ouro pelos nossos impostos ... Morto Saramago, o discurso destes mentideiros altera-se como o dos filmes de cow-boys do John Ford ("um bom índio é um índio morto ...") e passa a ser um génio das letras ... Portanto não embarques nesses considerandos e faz a tua leitura crítica da obra de um dos grandes da nossa literatura, ao lado de Eça, Camilo, Pessoa, Torga, Aquilino, sei lá mais quantos ... Sofia, Lobo Antunes, Alegre

Joao Manuel disse...

Ainda em tempo : Só alguém com uma personalidade genial se lembraria de "relatar" e "descrever" as torturas sobre um resistente ao regime pela G.N.R. de Estremoz não pelo olhar da vítima ou dos esbirros, mas pela "visão" de um carreiro de formigas salpicado pelo pingos de sangue da vítima ...

Anónimo disse...

Sem dúvida João Manuel: tal como em Viagem a Portugal, em que Saramago descreve as nossas terras e suas pessoas e é dessa espécie de relato que retiramos as nossas conclusões e opiniões, sem precisar o autor de formular qualquer espécie de sentença sobre o nosso país. Faz-nos pensar e é genial também...

Fã do blog (não bloggista) de Barcelos