segunda-feira, 19 de abril de 2010

É ver para crer!

"Na proposta enviada aos parceiros sociais – sindicatos e associações patronais – o Executivo propõe, por exemplo, que as empresas que recorram a estagiários para desempenho de funções permanentes sejam forçadas a integrar essas pessoas nos quadros de pessoal.

O período de aprendizagem deverá prever a celebração de um contrato de estágio onde deverão estar declaradas todas as condições, os direitos e deveres do estagiário. Por acertar estão aspectos como a retribuição financeira dos estágios, que deverão prever a atribuição obrigatória de uma bolsa, a variar com o nível de formação do estagiário, e de um subsídio de alimentação.

O Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional, Valter Lemos considera “inaceitável que um jovem possa ser explorado não sendo o seu trabalho minimamente remunerado”. O responsável lembra que o “trabalho não remunerado é proibido por lei” e reforça “não ser aceitável que possam haver entidades que utilizem o trabalho de um jovem estagiário como trabalho negro, isto é, não remunerado”». in empregos online

1 comentário:

luisa martins disse...

Bem eu não sei como acontece nos outros cursos, mas em direito e arquitectura depois de completar 5 anos de licenciatura (agora mestrado), os jovens estagiários têm que fazer estágio para as respectivas ordens durante 2 anos, para que no final do estágio possam ser admitidos por estas!!!!claro está sem direito a remuneração e nem sequer estágio profissional!......cursos de 5 anos e no fim 2 anos sem ganhar nada...ridiculo!