quinta-feira, 3 de abril de 2008

Rigas

Como vem sendo habitual, todos os anos escrevo neste dia. 3 de Abril foi o dia em que o Rigas, meu amigo de infância, nasceu. Infelizmente, sofreu um acidente de mota que se revelou fatal. Por mais que tente, não há um ano em que não me lembre, como se tivesse sido ontem. O Rigas era das pessoas mais cheias de vida que eu conhecia. Dizia que queria morrer cedo. Nós diziamos que ele era tolo. Havia dias em que achava que ele não jogava com o baralho todo. E de facto, não jogava mesmo. Era isso que o tornava especial. Corria Lisboa inteira, todos os dias aparecia com amigos novos, mas sempre soube quem eram os verdadeiros. Aqueles que não lhe iam virar as costas. Hoje apetecia-me ligar aos avós dele. Dar-lhes um beijinho. Pelo dia que seria hoje. Pelo que aguentaram do neto, que era rebelde nas horas. Prefiro não o fazer. Eles sabem que nós nos lembramos sempre. Para sempre. Muitas vezes o silêncio é o segredo. Há sentimentos e emoções que nem todas as páginas do mundo algum dia conseguirão traduzir por palavras. Este é um deles. Sinto falta daquele sorriso. Daquele cabelo. Daquela voz. Daqueles olhos. Da amizade. Porque o Rigas sempre soube quem eram os amigos dele. No matter what.

1 comentário:

Minie disse...

Pois... é dificil... muito... eu também perdi um amigo na véspera do 25 de Abril (odeio este dia) vítima de um ataque de epilepsia (hoje já ninguém morre disto!) há mais de 10 anos.... Era skater lindo de morrer e uma pessoa excepcional... E há duas músicas uma do eric clpton "if i saw you in heaven" e outra o "every body hurts" dos R.E.M. que me fazem lembrar o meu amigo cláudio.

Estive a ler dos posts dos outros anos e acho muito bonito recordares sempre o teu amigo!!!

e Parabéns ao Rigas!

Bjs