terça-feira, 20 de novembro de 2007

Ian Curtis

A batata foi ver. A batata acha que o Ian Curtis não cantava nada de especial. Sempre achou. Podem começar a apredejar-me. E depois o rapaz era um pequeno dramático e desgraçado. Gostei do filme mas estes herois que se matam aos vinte e tais chateiam-me. Viram imediatamente ídolos. Not for me...

9 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Mas ó batata, recomendas? É que estou na dúvida...

sahara disse...

Têm amantes e depois andam a chorar pelos cantos tipo "ai que desgraçadinho que eu sou. Já que não tenho tomates para assumir a merda que ando a fazer deixa-me lá matar e ficam todos a gostar de mim!"
Not for me too...

Rita disse...

o filme vale a pena, não tenho dúvidas. estas historias é q me irritam, so isso : )

Klatuu o embuçado disse...

Com 29 anos até te entendo... não estavas lá. Ou seja, tens direito à tua opinião, mas pronuncias-te acerca do que não sabes. A importância do Curtis marcou toda a década de 80.

Capitão-Mor disse...

Creio que todos os génios se sentem incompreendidos e Ian Curtis tornou-se o porta-voz de uma geração. Não posso perder este filme!

Alf disse...

Este já era, para mim que sou velhinho, um ídolo em vida. Cresci ao som dos Joy Division, que posso fazer?

Alf disse...

Este já era, para mim que sou velhinho, um ídolo em vida. Cresci ao som dos Joy Division, que posso fazer?

Mighty Aphrodite disse...

também fui ver o filme e gostei bastante. ao contrário de ti, sou fã dos Joy Division, mas concordo que às vezes há demasiado facilitismo a considerar alguém herói, só porque morreu novo. mas a culpa até nem é deles, é de quem cá fica e promove esse heroísmo... mas não creio que fosse esse o caso do Ian Curtis. em todo o caso, para quem está na dúvida, se são fãs da banda, o filme vale a pena.

Nuno disse...

Estou na terra dele.....com o tempo que faz aqui...at+e fico admirado como é que não foi mais cedo :)