quarta-feira, 4 de abril de 2007

3 de abril

Hoje (ontem vá, que já passa da meia-noite) faria anos o meu amigo de infância, Rigas/rodrigo. Acho que escrevo sobre ele todos os anos, mas é mais forte do que eu. Fez parte da minha infância. Daquele que hoje é um dos meus mais importantes grupo de amigos. Cresceu comigo. Fez-me rir. Zangámo-nos. Abraçámo-nos. Fomos crianças e adolescentes. Um dia, no auge dos seus 18 anos, sofreu um acidente de mota. Num espaço de segundos, a vida dele ficou-se por ali. Foi acordar de madrugada com um telefonema. Foi o chorar dias a fio. Estar com o grupo e sentir que aquele acontecimento, infelizmente, serviu para nos unir ainda mais. Hoje, passados 10 anos, sinto a falta dele como se tivesse sido ontem que me telefonou e disse "valenteeeeeeeee", ou que tocou à campainha, subiu e se sentou a ouvir pearl jam como se não houvesse amanhã. Ainda o vejo a fazer a rua da minha mãe de mota. Devaneios de adolescentes. Ainda o vejo a despedaçar corações por onde passava. Ainda lhe vejo os dentes perfeitos e imaculados. O cabelo comprido, aloirado do sol. A caminhar de prancha debaixo do braço. A dizer "quero morrer aos 18 anos". E outros disparates que tais. A vida prega partidas lixadas. Esta foi uma delas.

Rigas, este será sempre o teu dia. Hoje e sempre. Onde quer que estejas, espero que estejas bem. Parabéns : 0 )

5 comentários:

El-Gee disse...

Bem tou arrepiado.

A mim uma coisa que me faz muita confusao é que, quem morre novo, so marca uma fracção da vida dos que chegam a velhos.

Basicamente, os amigos vivem durante muitos anos e quanto mais tempo passa, menor é a fracção de tempo que o amigo que morreu cedo passou na vida dos que morrem tarde.

Por isso, o risco de cair no esquecimento e ser apenas "um amigo de infancia que morreu cedo" é enorme.

Por isso, acho que homenagem como a tua fazem todo o sentido. Sao essenciais.

Sao Vida.

Ele hoje Vive, e espero que Viva em ti e nos amigos dele para sempre.

Aisling disse...

Acho que melhor do que comentar, é deixar aqui um beijinho e um abraço...

Mónica disse...

Lembro-me perfeitamente do Rodrigo. Morávamos na mesma rua. Ele no início e eu no fim. Metia-se sempre comigo quando me via a empurrar a bicicleta rua acima.
Também eu tenho um amigo que me deixou aos 18 anos. Dói muito, muito mesmo. Mas a memória dos momentos bons, dos momentos maus, das brincadeiras, das discussões, mantêm-nos vivos dentro de nós!

Anónimo disse...

O Rigas era um que andava para os lados do Filipa (amigo do Migas e do Digas)? Pergunto porque me lembro de um miudo que tambem morreu de desastre de mota, tambem ha cerca de 10 anos e, tambem, se chamava Rigas...

Rita disse...

o rigas é esse mesmo. amigo do digas e do migas. e que parava no filipa.