segunda-feira, 5 de junho de 2006

Dor na alma

Se dantes eram os nossos pais que se preocupavam a toda a hora connosco e faziam tudo por nós, à medida que o tempo avança o contrário começa a tornar-se cada vez mais óbvio. É assustador ver como ao sairmos de casa notamos a tristeza nos olhos deles. Habituados a ter-nos debaixo das duas asas, se por um lado têm orgulho em nos ver ter a nossa independência, por outro custa-lhe perder a nossa companhia 24 horas por dia.

Este foi o tema de conversa entre mim, a Rita Serafim, Inês Borralho, Célia, Kika e Ruizinho. A Rita e a Kika vão casar-se ainda este ano. A Célia já casou. A Inês está a comprar casa com o namorado. O Ruizinho é o noivo da Rita. Todos temos a mesma preocupação. Tristeza, até. Saber que os nossos pais vão um pouco abaixo pela nossa falta. Saber que deram tudo por nós e que agora chega a nossa vez de retribuir.

O lidar com esta situação é tudo menos fácil. É dolorosa. Dá um aperto no coração. E fico-me por aqui porque as palavras não me saem... : (

4 comentários:

rita disse...

custa mas é a ordem natural da vida.

e a mãe mais linda do mundo e arredores vai saber lidar com tudo isto. tal como soube criar 3 meninos lindos! muito lindos!!!

um beijo enorme, às duas!

Anónimo disse...

É verdade, é a ordem natural das coisas mas custa sempre sair de casa e deixar de lá estar em permanência 24h/dia,talvez seja mais doloroso para os pais que para os filhos, mas torna-se bastante mais compplicado gerir quando estamos não só fora de casa mas a mais de 300km de distância.Compensatório será dizer-lhes incessantemente que são os melhores pais do mundo e que os adoramos e sobretudo que estamos bem...que é e será sempre a grande preocupação deles,independentemente da nossa idade:)Ter pais que nos adoram é um luxo e uma benção que nem toda a gente teve por isso é agradecer e aproveitar.
Beijo mum and dad:)
***

Star * Dust disse...

Faz parte... são raras as espécies de todo o reino animal que mantêm ligações com os progenitores depois de adultos! ;0)

pedro disse...

Como já disseram é a ordem natural da vida. Não nascemos para vivermos sempre com os nossos pais. A separação, dolorosa para eles e libertadora para nós no início, evolue depois para uma definição de espaços e tempos, pois da união da vida deles, pais, nasceu a nossa, e da nossa separação deles irá surgir uma outra diferente.

Bjs para a batata frita :)