quarta-feira, 31 de agosto de 2005

Ansiedade

Hoje recebo os primeiros amigos na minha casa nova. Já só penso em ir para casa e arranjar tudo para os receber... já só penso nas conversas que vamos ter, nas novidades que vamos contar e nas risadas que vamos dar.

Amanhã conto como foi e, se puder, publico fotos : )

terça-feira, 30 de agosto de 2005

Azenhas
















Obrigada meninas (vocês sabem quem) por me proporcionarem momentos destes em sítios tão fantásticos... realmente a amizade não tem preço : )

Ai se não fosse a rede wireless...

No outro dia fui dormir a casa de uma amiga. Até aqui tudo muito bem. Resolvemos ir alugar um dvd ao blockbuster da zona e ir buscar o meu saco ao carro. Tudo normal. Quando fechamos a porta e a minha amiga se apercebe que deixou a chave lá dentro, a coisa mudou de figura... eu apenas com a chave do carro na mão, tudo o resto ficou lá. Ela com a mala e o tlm SEM BATERIA. (literalmente "morto") Restou-nos ir a uma cabine ligar para a mãe da minha amiga que estava, nada mais nada menos, no Algarve. Por sorte, o irmão dela vinha nessa noite. Já teria chegado mas não atendia o tlm. Nem ele nem a namorada. Provavelmente estariam no cinema. A vizinha do 7ºesq tinha uma cópia da chave. Mas a senhora resolveu estar de férias. Quando julgávamos que a sorte não estava do nosso lado, fomos para o meu carro, onde eu tinha o saco e o portátil, e decidimos ver se teriamos internet ali. Sem saber como nem por alma de quem (ou de que escritório...) tinhamos internet excelente. Lá nos ligámos ao mundo enquanto esperávamos que o irmão da amiga chegasse e assim se passou o tempo. As pessoas riam-se quando contávamos onde estávamos. Foi um fartote. A amiga ia tendo um espamo de nervos mas o resto correu tudo bem. LOL.

domingo, 28 de agosto de 2005

Um livro

Este Verão comprei um livro da editora "Oficina do Livro". O objectivo era ser de leitura (muito)fácil, não ter de pensar demasiado. Poder ler na praia, no sofá e até no w.c. A autora é desconhecida. O título é piroso. No Algarve, as minhas amigas gozaram quando viram a capa e eu ri-me com elas. De facto, tudo indicava que aquilo não valia nada.
Quase a chegar ao fim da leitura, apercebo-me que o tema gira à volta de dois irmãos gémeos. Um casal. Da sua cumplicidade. De serem o amor da vida um do outro. E, por fim, do suícidio de um deles. Nunca imaginei que fosse este tipo de história. Nunca pensei ficar assim, surpresa. E, independentemente do seu valor literário, esta livro tocou-me e deixou-me a pensar. Talvez por ter um irmão gémeo e sermos, também, o amor da vida um do outro...

quarta-feira, 24 de agosto de 2005

Sem título

Já tenho a cozinha equipada e ando a sonhar comigo a acordar no meu pequeno T1 e tomar o pequeno-almoço com a minha nova TV ligada. Ir ao combinado novo buscar suminho fresquinho, tirar a manteiga e fazer umas belas torradas. Será que isto é o sonho de qualquer humano? Ou estou completamente louca? O facto é que nunca imaginei que fosse tão empolgante rechear a própria casa... .

...acho que estou a ficar velha...

terça-feira, 23 de agosto de 2005

A bombar!

Sarita e Rita no Camaleão!!!


segunda-feira, 22 de agosto de 2005

Verão 2005

Casalinho






Venham mais dias/noites destas!!!

Paz

O final de tarde na praia de Altura

Friendship


O Camaleão foi o bar de eleição

Nham nham


Os belos petiscos em Cacela velha... ai tempo, volta para trás...

Praia verde


Fomos ouvir o Mico e depois fizemo-nos ouvir ; )

De barriga cheia...


Os restos mortais das gambas...

Cunhadas e amigas

Moi même e kika maria

Romero,


o local de eleição para comer gambas, em Ayamonte : )

Baguito


Um dos homens da minha vida

Vale de Lobo

Que saudades...

Um dia em Vilamoura

Por outras palavras

Ninguém disse que os dias eram nossos, Ninguém prometeu nada
Fui eu que julguei que podia arrancar sempre mais uma madrugada
Ninguém disse que o riso nos pertence, Ninguém prometeu nada

Fui eu que julguei que podia arrancar sempre mais uma gargalhada
E deixar-me devorar pelos sentidos, E rasgar-me do mais fundo que há em mim
Emaranhar-me no mundo e morrer por ser preciso, Nunca por chegar ao fim
Ninguém disse que os dias eram nossos, Ninguém prometeu nada

Fui eu que julguei que sabia arrancar sempre mais uma gargalhada
E deixar-me devorar pelos sentidos, E rasgar-me do mais fundo que há em mim

Emaranhar-me no mundo e morrer por ser preciso... Nunca por chegar ao fim

Mafalda Veiga

sexta-feira, 19 de agosto de 2005

Estou feliz



Comprei o sofá para a minha casa. custou-me os olhos da cara mas é lindo de morrer, enorme. tem cama. Aiii, estou tão contente!!!!! A minha casa, o meu sofá....

lalalalalalla

quarta-feira, 17 de agosto de 2005

O pequeno Tomás

As crianças são terríveis. Hoje foi lá ao escritório uma ex-colega com o seu filhote, o Tomás. De apenas 3 anos, a fazer 4 no mesmo dia que eu, o miúdo libertava energia, palavras, inteligência, atrevimento e rebeldia.

Às minhas primeiras perguntas presenteou-me com uns "sim" desconfiados. De seguida já falava pelos cotovelos e me contava a vida toda, ou não fosse um balancinha típico!

Viu umas pastilhas coloridas e perguntou o que eram. Respondi e perguntei se queria uma. "Só perguntei o que era, não disse que queria. Não posso comer pastilhas". Ora toma e embrulha!

De seguida vieram os nomes completos dos pais, a história da casa com piscina onde passou férias o ano passado e que vai repetir este ano. Que já só faltam 4 dias para o papá estar livre do trabalho e irem os 3. Falou-me do mano que vem a caminho: "o Simão vai nascer muito pequenino e com os olhos fechadinhos". Da praia onde costuma ir: "há lá muitas ondas mas eu vou com o meu pai mergulhar". Falou-me das outras praias onde vai, e à minha observação "e nessas não há ondas" ele disse indignado: "em todas as praias há ondas".

E no fim rematou: "quando eu for grande venho visitar-te sozinho e comemos pastilhas juntos está bem?".

Quem fala assim não é gago : ))

Fiz a compra do ano






com o meu mini leitor de mp3 : ))) (igualzinho a este!!)


sexta-feira, 5 de agosto de 2005

Boas férias... ou não!


ATÉ DIA 16...

Procurem-me


Estarei algures por aqui...

AVISO

Cheira a fumo

Por toda a Lisboa paira uma nuvem de fumo. Cheira a pinheiro ou eucalipto queimado. Os carros, ontem à noite, estavam cobertos por cinzas. O calor continua a abrasador. O ar está quase irrespirável. Da janela do escritório vejo o céu muito cinzento e hoje ao acordar toda a casa cheirava a queimado. Será que todos os anos vai ser a mesma conversa? É assustador...

quinta-feira, 4 de agosto de 2005

Vicios

Ontem fui ao Casino, com o Pipo, jogar umas máquinas. Cada um gastou 5 Euros. O que dizer disto? É viciante, é um facto... mas não compensa!! A não ser que se ganhe logo uma boa quantia e saiamos logo dali, ou quanto mais se ganha mais se gasta... não descansamos enquanto não acabamos as moedas... este é um fenómeno que me é difícil de explicar, mas que fiquei agarrada à máquina, ai isso fiquei, n posso negar... e qd as moedas acabaram fugi imediatamente. Aquilo é um perigo!! ; )

quarta-feira, 3 de agosto de 2005

Empregos...

Agora que trabalho no World Trade Center cá do sítio (chama-se mesmo assim o raio do edifício) estou sempre a ver os aviões da minha janela... a trabalhar no 8º andar, sendo o 9º o último, os aviões fazem cada rasia que até dá medo... de frente para a janela não dá para ignorar!!
O bom disto é ter uma vista fabulosa sobre Lisboa onde consigo alcançar Monsanto, toda a cidade universitária, a biblioteca nacional, o hospital de sta maria... cd vez q me doiem os olhos de olhar para o monitor do portátil, tungas, lá me ponho eu a olhar o mais longe possível pela janela. ; ))

E há mais vantagens em trabalhar aqui:
não faço a ic19 tds os dias, como fazia!! tenho cafés, supermercados, gente, carros a toda a hora. Dantes estava num monte onde não se passava NADA!! (seria estratégia??) Almoço em casa todos os dias, e levo apenas 5 minutos de carro até lá. Gasto mt menos gasolina... enfim, estou nas sete quintas ; ))

Humpf

Amanhã tenho uma reunião de trabalho no Pragal... alguém me sabe dizer onde fica essa bela localidade??? Ainda por cima às 09h30... mas eu fiz mal a alguém????? Ainda aproveito a "boleia" e acabo a almoçar na praia... ai acabo acabo... n me mandassem para sítios desses!!!

HUMPF!!!

terça-feira, 2 de agosto de 2005

Os gatos da minha vida

Nunca fui grande apreciadora de gatos. Ou porque sou alérgica aos pelos, ou porque são bichos frios, distantes e independentes, ou porque me parecem interesseiros e mesquinhos. Nunca soube explicar muito bem, mas sempre foi esse o sentimento...
Hoje pus-me a pensar nos gatos que têm passado pela minha vida e constato que não podem ser assim tão maus...

O Kitty, o gato que vivia em casa do meu pai quando eu era pequenina, nunca foi mau para mim. Tenho poucas recordações dele, é certo, mas acho que na altura ainda não era alérgica... e suponho que era um bom companheiro para brincar.
O Ronaldo, o gato do meu ex-namorado e que já morreu, foi o gato que mais alergia (leia-se alergia e não alegria, lol) me deu... era eu a entrar em casa e ele a ser fechado numa divisão... tinhamos uma espécie de amor-ódio. Ora não ligávamos um ao outro ora nos dávamos mais um pouco. O auge foi quando o pai do meu ex foi internado no hospital e a família estava tda muito em baixo. Fomos a casa buscar roupa e coisas necessarias para o senhor e o gato veio sentar-se ao meu colo... aquilo devia querer dizer algo... ou n...
O Puré, o gato da minha cunhada, branquinho branquinho, e daí o seu nome. Também me provoca uns espirros e comichão nos olhos, mas é um bicho recatado, não chateia muito e na maioria das vezes nem se dá por ele. O que para mim só melhora ; )
O Easy to Love, gato da minha amiga lezita, é um doce. Se no início eu não queria "conversa"com ele, hoje não posso ir a casa dela sem que o agarre, o encha de festas e mimos. E quando durmo lá até sou acordada por ele...
O Nicolau, era o gato da minha amiga João. De gato abandonado passou a ser um gato de família e bem cuidado. Normalmente não miava, fazia o que nós apelidámos de "nhónhónhó". Era o meu favorito, devo confessar. Talvez porque não me pedia comida, como o comum dos gatos que não liga nenhum e qd tem fome arma-se em simpático. Aninhava-se aos meus pés no Inverno e ali ficávamos junto do aquecedor em pleno Inverno. A dona tinha ciúmes por ele gostar tanto de mim. E eu nunca tinha gostado tanto de um gato...
O Rodolfo, gato do meu namorado, tem fases. É completamente interesseiro, lol. Não pode ver ninguém a chegar que vai logo todo manso pedir comida. Tenho-me vindo a aproximar dele e a ser amiga. Já o pego ao colo sem medos, encho-o de festas, dou-lhe a tão desejada comidinha, ele dá-me beijinhos. Mas lá está, tem fases... até já brinco com ele.
A selminha, gata da vizinha lá de sta cruz. Pequenina, mansinha, amiga, um doce. Parece bebé e no entanto já teve várias ninhadas. Vem para perto de nós e ali fica. Gosto mesmo deste tipo de gatinhos, afáveis e carentes. (como eu?)
A chiquinha, gata abandonada que aparece sempre em casa da minha amiga Kika, é outro docinho. Sempre com reacções de gata abandonada, desconfiada e de pé atrás, não deixa de ser um mimo...

Com isto tudo fico sem perceber se afinal gosto de gatos ou não... qualquer dia até arranjo um gato lá para casa... ; ) NOT!!!

Novo blog

O Jornal A Capital fechou. O blog dos trabalhadores do mesmo jornal abriu. Não se acanhem : )