quinta-feira, 2 de setembro de 2004

Todo o tempo do mundo

Andar pela rua alheada de tudo. Estar no trânsito à espera que a fila avance. Estar em casa, sossegada a ouvir a chuva bater na janela e sentir aquele soninho bom e um friozinho que só pode passar com uma mantinha fofinha... Ouvir uma música distante, cantar baixinho. Sentir aquele abraço aconchegante, aninhar no sofá, não fazer nada, sentir que só aquilo nos basta... Ter todo e nenhum tempo do mundo para pensar na nossa vida. Tomar decisões. Virar para o lado e adormecer bem quentinha...

Sem comentários: