sexta-feira, 28 de maio de 2004

Sinto-me outra

Hoje estou a gozar mais um diazito de folga. Acordei lá para o meio-dia, estive a ronhar na cama, arrastei-me preguiçosamente para a banheira e lá saí de casa (eram quase 3 da tarde...).

Quando me dirigia para o meu querido pópó, para ir almoçar a casa de uma amiga, eis que vejo um vizinho meu, já com os seus 80 e muitos anos, a andar muito vagarosamente sob um calor de morrer. Dei as boas tardes e segui até ao carro...

Mas, caraças, fiquei com um aperto no coração de vê-lo a deslocar-se daquela forma, com tanto esforço, apoiado na bengala.
Entro no carro, e ainda o avisto muito ao longe. Abro as janelas, ligo o rádio e dou por mim a esperar que ele se aproxime do sítio onde estou.

O senhor está prestes a chegar e eu abro a porta do carro e ofereço boleia. Ele diz que vai para o convívio e que não quer incomodar. Lá o convenço e ele agarra-se a mim e dá-me um beijinho carinhosamente.

Durante o caminho conversamos, ele diz que tem que andar às vezes, que estar deitado o dia todo não é solução e que todos os dias vai ter com os amigos ao convívio. Chegamos ao destino... ajudo-o a sair do carro. Ele quer que eu o deixe oferecer-lhe uma "bica". Digo que ainda não almocei. Agradeço. E deixo-o.

Sigo o meu caminho... vou a pensar que me sinto com uma alma nova... que fico com o coração nas mãos quando vejo sitações destas...

Realmente ajudar nunca custou nada e sentimo-nos logo outros.


4 comentários:

Rita disse...

Onde escrevi "sitações" queria dizer "situações".
Peço desculpa a todos!

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
100tidos disse...

Pq n mudas isso no "edit posts"????

Anónimo disse...

:) Muito inspirador!